Next
Previous

domingo, 9 de dezembro de 2018

Novela da Globo traz nova consciência sobre os felinos

Posted in ,

Personagem León  (Foto: Adestradora Patrícia)
Conversei com a adestradora felina, Patrícia Christensen, sobre o movimento positivo que está gerando a favor dos gatos, após a exibição da novela O Sétimo Guardião, em horário nobre na Rede Globo.

O preconceito milenar contra os gatos pretos, injustamente associados ao azar e cruelmente usados em rituais de magia negra, levou um grande golpe com a novela, que traz como personagem principal o lindo gatinho León.

“Tenho visto que as pessoas estão respeitando e admirando os gatos, principalmente os pretos. A novela deu voz aos gatinhos e isso nos deixa extremamente felizes. Tenho certeza que, após a novela, uma nova porta está se abrindo para os gatos. Vitória para todos nós que amam e lutam pelos gatinhos”, afirma Patrícia.

Em gravação.... (Foto: Adestradora Patrícia)
O personagem felino León tem poderes especiais, que também envolvem a proteção de um poço da juventude. O que pouca gente sabe é que ele é interpretado por quatro atores. Isso mesmo! São quatro gatinhos da raça Bombay dos EUA, que foram devidamente adestrados, com muito amor e profissionalismo. “São extremamente ágeis! Adoram fazer as cenas de ação. Super inteligentes e curiosos. Sociáveis e motivados”, revela Patrícia.  

Segundo ela, os bichanos foram treinados para não sofrerem estresse nas gravações, com muita dessensibilização, além de receberem bastante carinho dos atores e atrizes do elenco. E nas cenas pesadas ou estáticas, a produção usa um animatronic e um bicho de pelúcia, liberando os gatinhos de carne e osso para descansar.

Turminha felina reunida (Foto: Adestradora Patrícia)

O Projac é pertinho da casa de Patrícia, o que facilita muito o deslocamento dos felinos. A produção atendeu a exigência natural para os gatos: um camarim tranquilo para eles ficarem descansando entre uma cena e outra. “O bem estar deles foi uma exigência desde o primeiro contato e isso é muito respeitado por toda a equipe que entendeu que são gatos e que precisam dormir durante o dia”. Após as gravações, eles vão para casa com o dever cumprido.

Os quatro gatinhos já gravaram. Eles se revezam nas gravações de maneira bem sutil. Patricia diz que ao perceber o mínimo de sinal de que eles não estão afim de brincar (o que na verdade é gravar, mas os adestradores tornam tudo uma brincadeira para eles), é feita a troca de gatinho. “Como eles são muito sensíveis, às vezes, um simples barulho mais forte, como uma queda de equipamento ou repetições de cenas para afinar luz e câmeras, preferimos trocar para poupar o felino”, afirma.

Em adestramento (Foto: Adestradora Patrícia)

E tudo isso não muda a normalidade da rotina deles. As alimentações são feitas com brincadeiras, estimulando-os a pensar. Todo esse trabalho comportamental é importante para desenvolver a inteligência e a curiosidade, e ainda para criar uma afinidade maior com os adestradores Anderson Gonsales e Patrícia. Eles têm uma sintonia muito boa, o que facilita muito o manejo com os gatos.

Foto: Adestradora Patricia
Foto: Adestradora Patrícia

Foto: Adestradora Patrícia

Sinal verde com os atores também. Ela revela que o Bruno Gagliasso aprendeu a gostar de gatos agora. “Ele é do cachorro, mas está amando. O gatinho preferido dele é o Pépe e o da Marina Rui Barbosa é a Lucky.”. Os atores sempre vão visitar os gatinhos em seu camarim e acabam tirando várias fotos.

Lília Cabral (Foto: Adestradora Patrícia)
Escritor da novela Aguinaldo Silva (Foto:Adestradora Patrícia)

Edu Moscovis (Foto: Adestradora Patrícia)

Viviane Araújo (Foto:Adestradora Patrícia)

Muitos perguntam por que não fizeram as filmagens com um gato SRD (sem raça definida) brasileiro. Patrícia falou que a raça foi escolhida pela equipe de efeitos especiais da Globo. “A intenção era ter uma raça com pêlo bem curto, para facilitar o recorte em determinadas gravações. Levei mais de 10 gatinhos pretos sem raça definida para os testes e nenhum foi aprovado porque o pêlo dos nossos gatos brasileiros são mais ressaltados no rosto e isso aumentaria muito o tempo de recorte”.

Todo esse movimento deixará um legado: desmitificação e conscientização das pessoas para os gatos pretos. Ponto positivo! Patrícia conta que está muito feliz ao receber comentários de pessoas do Brasil inteiro, que passaram a ver os gatos pretos com outros olhos.

“Recebo diariamente dezenas de fotos de gatinhos pretos recém adotados, com nome de León”, conta com alegria ao saber que a novela tem ajudado a aumentar as adoções e a posse responsável dos animais.

Os adestradores Patrícia e Anderson Gonsalves

quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Comportamento: Como identificar a eliminação inapropriada

Posted in

É muito comum o relato de tutores sobre eliminação inapropriada de seus gatos. Quando ele urina ou defeca fora da caixa de areia diz-se que o animal tem eliminação inapropriada. É a causa mais comum de problema comportamental em gatos que chegam até a mim.

Por esse motivo, resolvi escrever para ensinar ao tutor como ele deve agir com seu gato nessas situações. A primeira etapa é descartar a possibilidade de ser distúrbios clínicos que causam dor ao urinar ou defecar, como por exemplo, uma inflamação na bexiga que provoca com muita frequência a eliminação incorreta. A visita ao veterinário é indicada.

Compreendendo melhor todo o contexto, podemos tratar sem estresse o seu gato e ter um final feliz. Para os humanos, xixi e fezes têm apenas um significado. Para os felinos, mais de um. Eles não estão apenas realizando um mecanismo fisiológico de excreção, estão também se comunicando, consegue perceber isso? A urina e as fezes são recursos que os gatos utilizam para deixar seu cheiro em locais específicos.

Curiosidade: Você sabia que o gato fareja as fezes e a urina de outros gatos e com isso obtém diversas informações?

A marcação territorial é um comportamento normal do gato. Urinar em locais estratégicos para eles indica a sinalização para outro gato que ali é o seu território. Esse comportamento é mais frequente em gatos e gatas que não estão castrados.

As principais causas para urinar ou defecar fora da caixa de areia são:

1       Problemas de saúde
2       Estresse ambiental
3       Marcação territorial
4       Problemas diretamente relacionados a caixa de areia

Os fatores que desencadeiam um estresse ambiental são casas com muitos gatos. Cada um tem sua personalidade definida, e em sua maioria são caçadores solitários e não gostam de dividir os seus recursos. A frequente troca de cheiros de uma residência também pode ocasionar essa alteração. Ela pode ser desde a mobília até a circulação de pessoas desconhecidas ou mesmo que tenham nela cheiros de outros animais.

Os odores que permeiam um ambiente em que o gato vive são muito importantes para ele. Tudo isso significa segurança no seu lar e cheiro familiar vamos dizer controlados. As glândulas de feromonas presentes na área da cabeça marcam territórios. Por exemplo, se ele sentir que essa marcação não está efetiva, por limpezas muito frequentes nos locais, ele pode vir a urinar ou defecar, com o objetivo de deixar seu cheiro ativo no território.

Os problemas relacionados às caixas de areia são geralmente fáceis de resolver. O número de caixas deve ser um a mais da quantidade de animais. Se mora em uma casa com dois pisos, é interessante colocar também no outro piso. De um modo geral, os gatos preferem os granulados mais fininhos e suaves. Evite sempre areias com cheiro e mantenha os comedouros longe das bandejas sanitárias.  Às vezes, o local onde está instalada a caixa não é confortável para seu gato. Evite locais barulhentos, próximos a máquinas de lavar roupas, por exemplo. Na minha casa, por exemplo, disponibilizo um banheiro somente para todas as bandejas dos meus cinco gatos. Lá, eles fazem tranquilos e sem sustos.

Curiosidade: Quando eles estão gostando da caixa, eles demoram a sair dela, ficando o tempo suficiente para esconder as fezes. Já se o seu gato sai correndo, é porque se sente desconfortável e aí, é melhor rever esse ponto.

É importante fazer a higienização diária das caixas. Isso já foi causa de atendimento. Ao tempo que o tutor passou a colocar a quantidade certa de granulado na bandeja, o problema foi resolvido. Vale lembrar: o tamanho da bandeja deve permitir ao gato dar uma volta sem dificuldade. Não gosto de caixas com portas, observo que os gatos respondem muito melhor sem elas.

E por fim, avalie como está o ambiente disponível para seu gato. Cada caso tem suas características bem definidas. A causa do problema pode ser tão simples como uma higienização correta e a inserção de outra bandeja ou tão complexo que exija a visita in loco de um profissional de comportamento para ajudar na resolução do problema.

Espero que tenham gostado. Nos acompanhe diariamente pelo Instagram @gatalili Beijos!!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...